kids

Director: Júlio Manjate

A SECRETÁRIA de Estado da província de Sofala, Stella Zeca, defendeu esta semana que as investigações em torno do rombo financeiro de mais de nove milhões de meticais das contas do Hospital Central da Beira (HCB) devem continuar, de forma a garantir a sua maior clarificação.

A posição foi tomada poucos dias depois da detenção de um pirata informático indiciado de ter sido o autor do furto afastando, deste modo, a participação de três quadros seniores daquela instituição detidos em Dezembro do ano passado.

Respondendo a uma questão colocada por jornalistas à margem da reunião do Comité Operativo de Emergência de Saúde no âmbito da Covid-19, a governante referiu ainda ser prematuro tirar ilações de um processo que corre os seus trâmites legais no sector de administração da justiça.

“A investigação deve continuar para uma maior clarificação. Houve muitos desenvolvimentos no processo, o que resultou na detenção de funcionários que nunca tiveram acesso a computadores. As investigações que propomos visam aferir se realmente a pessoa detida teve participação ou não de alguém do Hospital Central da Beira”, elucidou.

A dirigente apelou ainda para que não haja relaxamento perante um caso criminal como este, sobretudo quando se trata de desvio de fundos do Estado.

Recorde-se que o desfalque foi detectado em Novembro do ano passado naquela unidade sanitária.

Há dias, o Ministério Público em Sofala, através do seu porta-voz, Joaquim Tomo, assegurou ao “Notícias” que pelo curso do processo, os três funcionários que se encontram em liberdade provisória poderão ver-se livres das acusações que pesam sobre si.

Trata-se do administrador, chefes de contabilidade e de segurança, nomeadamente Abú Júlio, Paulo Sozinho e Ribeiro Mouzinho, respectivamente.

Recorde-se que em finais de Fevereiro, Stella Zeca que anunciou que cerca de quatro milhões de meticais dos mais de nove milhões de meticais desviados tinham sido recuperados.

Comments

UM casal de jovens encontra-se desde a primeira quinzena do mês em curso à procura de apoio financeiro e material para sustentar os seus três filhos gémeos recém-nascidos no Hospital Central da Beira (HCB).

Trata-se de Nilsa da Graça e Plácido da Cruz, moradores do bairro da Manga, que no dia 16 do mês corrente foram presenteados com mais três filhos dos quais um do sexo feminino.

“Estamos num tempo difícil por conta do novo coronavírus e precisamos de apoio porque não contávamos com três crianças ao mesmo tempo”, rogou Plácido da Cruz.

Segundo o nosso entrevistado a direcção provincial de Género, Criança e Acção Social disponibilizou-se a apoiar os trigémeos com leite num período de dois anos.

Por seu turno, Nilsa da Graça explicou que durante a gravidez fez ecografia obstétrica por duas vezes e a informação que teve foi de que poderia nascer dois bebes e só no sétimo mês os médicos descobriram que estava à espera de trigémeos.

A fonte revelou que o parto foi à cesariana e correu sem sobressaltos. Os dois meninos nasceram com 1.500 gramas e a menina com 1.600. 

Comments

O rombo financeiro ocorrido o ano passado, no Hospital Central da Beira, província de Sofala, num montante estimado em dez milhões de meticais, foi protagonizado por um pirata informático.

Esta é uma conclusão realizada pela Procuradoria Provincial de Sofala, que refere que o pirata informático acedeu às contas bancárias do Hospital e efectuou a transferência do valor.

O suspeito pelo roubo cibernético está detido e é um funcionário público afecto na direcção provincial do Instituto Nacional de Formação Profissional e Estudos Laborais Alberto Cassimo.

O porta-voz da Procuradoria Provincial de Sofala, Joaquim Tomo, disse haver provas de que o crime foi praticado pelo detido, descrito como profundo conhecedor de informática.

“Não estamos habituados a forma como ele praticou o crime. Ele consegue aceder às contas do Hospital Central, ele não quis tirar tudo que lá viu, tirou só aquele valor que conta aí no processo, mas ele poderia ter tirado muito mais ou todo o dinheiro do Hospital Central da Beira. Portanto, é um indivíduo que percebe de informática, percebe como funcionam os bancos e realmente é um facto novo no nosso país, é algo um pouco estranho”, disse.

Assim sendo, segundo Joaquim Tomo, os seis arguidos do processo de desvio de fundos do Hospital Central da Beira, em prisão preventiva, poderão ser soltos a qualquer momento. - (Notícias/RM)

Comments
Quatro ventiladores foram entregues na Beira ao Governo da província de Sofala pela Cornelder de Moçambique, como contributo nos cuidados intensivos a eventuais doentes graves da pandemia do coronavírus nesta região do país.
Na ocasião, o administrador-delegado da entidade gestora do Porto da Beira, Jan d'Vries, explicou  que o equipamento foi fabricado no Brasil e  importado via África do Sul.
A oferta inclui acessórios, máscaras e culminará com a instalação do sistema de oxigénio e ar comprimido no Hospital 24 de Julho. 
Por outro lado, a Cornelder de Moçambique celebrou com as autoridades governamentais na província de Sofala um memorando de entendimento para a reabilitação da enfermaria de epidemias dos Pioneiros, representando, na globalidade, um investimento de 12 milhões de meticais.
Na mesma circunstância, o Grupo da Ferragem Chiveve também ofereceu diverso material constituído por uma bomba pulverizadora, 50 baldes com torneiras e igual número de utensílios simples, além de 150 barras de sabão para a lavagem das mãos.
Reagindo aos dois gestos, a secretária de Estado da província de Sofala, Stella Zeca, agradeceu, recordando que os casos de coronavírus estão a aumentar, embora ainda não tenhamos registo na nossa província de Sofala e na cidade da Beira.
“Mesmo assim, não devemos relaxar. Hoje recebemos estas contribuições que esperamos que se estendam a outras entidades” - apelou.
Sublinhou que os primeiros quatro ventiladores para assistência aos doentes não devem reduzir a preocupação na observância das medidas de prevenção, que continuam a ser a melhor forma de combater a doença.
Comments

UMA linha de produção de álcool em gel está a ser desenvolvida no laboratório do Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande (ISCTAC), na cidade da Beira, com vista a contribuir para  responder à  procura deste produto medicinal para a prevenção do novo coronavírus no país.

Para concretizar a iniciativa, segundo o vice-reitor daquela instituição de ensino superior, Júlio Taimira,  o ISCTAC conta com três especialistas doutorados em Química e dois  técnicos  de  laboratório  que, numa primeira fase, pretendem produzir cerca de mil frascos de 50 mililitros em 15 dias.

A fonte revelou ainda que os primeiros lotes a serem produzidos serão disponibilizados ao Governo porque o foco da instituição não é propriamente a comercialização, mas sim a responsabilidade social junto das comunidades.

Neste sentido, o ISCTAC propõe-se a entregar a determinadas  unidades sanitárias carenciadas, como o Centro de Saúde da Munhava e o Hospital Rural do Búzi, tendo em conta o contexto em que funcionam depois de terem sofrido com o ciclone Idai no ano passado.

“Pretendemos ajudar o Governo em mecanismos de prevenção desta pandemia”, sublinhou o vice-reitor, assegurando que o álcool a ser produzido está dentro dos padrões recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por outro lado, Taimira deu a conhecer que o ISCTAC vai partilhar a sua experiência com outras instituições de ensino superior no país, como contributo que poderá ser usado por todos no combate à Covid-19.

Comments

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction