Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 1149

A companhia aérea Fastjet vai suspender as operações em Moçambique, a partir deste sábado, devido ao excesso de oferta e prejuízos acumulados, anunciou ontem a  transportadora em comunicado.

“Após prejuízos contínuos que ascenderam a 2,4 milhões de dólares no primeiro semestre deste ano, e face ao excesso de oferta, a Fastjet decidiu suspender todas as operações de voo em Moçambique”, lê-se no documento recebido ontem na Redacção do “Notícias” .

Segundo a companhia, a competição no país “começou a intensificar-se no final de 2018, com a entrada no mercado da Ethiopian Airlines como transportadora doméstica”, além da companhia estatal, a Linhas Aéreas de Moçambique (LAM).

“É a decisão acertada neste momento”, refere Mark Hurst, director executivo interino da Fastjet, citado no comunicado.

Em Moçambique, a transportadora aérea Fastjet, de origem britânica, iniciou a sua operação a 3 de Novembro de 2017, com viagens em três trajectos, nomeadamente as cidades de Maputo, Beira, Nampula e Tete. A companhia operava aviões Embraer E145, com capacidade para 50 passageiros.

O início das operações da Fastjet em Moçambique derivou do anúncio em 2017 da concessão de rotas domésticas a várias transportadoras, incluindo a companhias estrangeiras, como forma de promover a competitividade no transporte aéreo, no âmbito de um concurso lançado pelo regulador do sector.

Além da Fastjet, foram apuradas as companhias nacionais do Malawi e da Etiópia, mas apenas esta última veio a concretizar as suas intenções.
No comunicado, a Fastjet informa que espera  voltar a voar em Moçambique quando a procura por viagens aéreas aumentar o suficiente, em comparação com a capacidade fornecida”, refere.

Refira-se que a Fastjet iniciou a actividade em Moçambique há dois anos e chegou a realizar vôos em parceria (partilha de código ou “codeshare”) com a LAM, que, segundo o comunicado, ficam igualmente suspensos.

Neste contexto, a empresa Linhas Aéreas de Moçambique emitiu um comunicado informando que os passageiros que tenham passagens aéreas em Codshare poderam viajar os voos da companhia nacional em voos a serem introduzidos nos horários em que operava a Fastjet.

A suspensão de vôos em Moçambique não afecta nenhuma das operações do Fastjet no Zimbabwe, que continua a operar serviços entre Harare, Joanesburgo, Bulawayo e Cataratas Vitória.