Imprimir
Categoria: Opinião & Análise
Visualizações: 1723

PERCEPCOES: O que dizer à mana Shunga?  (Salomão Muiambo-Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.)

 

 

DEIXARÁ o homem o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher e serão ambos uma carne- Gênesis 2:24.Aliás, Jesus repete este versículo em Mateus 19: 5. E acrescenta: “assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.” Mateus 19:6

Shunga: subirás amanhãao altar para, diante de dezenas de testemunhas, ouvires do Padre esta pregação.E o Padre te dirá mais ainda, ao estilo de que não é bom que o homem, no sentido mais amplo da palavra, esteja só; que é importante que tenha um ajudante, ou seja que tenha alguém com quem partilhar pensamentos mais profundos, construindo a vida.

Tu conheces profundamente estas leituras porque nasceste e cresceste na Igreja. Lembro-me que a palavra dos teus pais, o Antoninho e a Rosa, para que fosses à Igreja, juntamente com os teus irmãos mais pequeninos, a mana Mãe e o mano Yuran, era lei que tu cumprias, ainda que muito dura. Por causa disso, várias vezes estiveste na Igreja para ouvir pregações do padre a outros jovens e não só, referindo-se ao matrimónio. Mas hoje, muitos jovens da tua idade e, outros mais novos que tu estarão em peso na Igreja que te viu nascer e crescer para ouvir o padre pregando sobre o casamento. Hoje mesmo ouvirás o padre falar-te que no matrimónio,sobretudo religioso,baseado na fé cristã, a aliança é um dos símbolos mais importantes desta união, pois,representa a ligação física e espiritual entre as duas pessoas que se casam, neste caso, tu e o Nelson.E tens que valorizar isso por toda a vida, como o têm feito muitos outros jovens que tiveram a rara ocasião de passar pelo altar. Ah!!! o padre te dirá ou te lembrará ainda que não separa o homem o que Deus uniu. E tu Shunga teráshoje a aliança que simboliza a união com o Nelson. União essa que nem tu nem o Nelson e nenhuma outra pessoa poderá separar, a menos que seja a morte.

No dia em que se esquecerem desta pregação serei o primeiro a pegar na “faca e na catana”para vos lembrar que só a morte vos irá separar, segundo a pregação do padre. Quererei ver se vocês aceitarão esse sacrifício. Creio que não.

Na verdade, encheu-me de alegria saber que tu, Shunga, ias contrair o santo matrimónio. Lembrei-me dos ensinamentos dos teus pais, dos teus tios, dos teus avós, alguns dos quais repousando eternamente, todos eles virados à necessidade de aumentares os níveis de escolaridade. E tu assumiste isso religiosamente, sem te importares de tudo o que distrai e “engole” a juventude dos tempos que correm. E assim conseguiste fazer de ti uma mulher “forjada e temperada”, preparada para assumir os desafios do futuro. E hásde vencer,garanto-te.

E tens de vencer porque constituis fonte de inspiração para todos os teus irmãos e primos mais novos. Todos eles querem ver uma mana Shunga casada para que sigam o exemplo.

Nós outros, abriremos o champanhe de alegria, beberemos a nossa taça de vinho da ordem e refrescaremos as gargantas de cerveja e do refresco festejando o teu casamento que, afinal, se tornará mais uma das várias batalhas por ti vencidas. Assim é a vida mana Shunga.

Quero, já agora, desejar-te muitos sucessos na vida conjugal e que os teus pais, tios e padrinhos te acompanhem na nova caminhada. Voltarei a escrever-te no complemento das primeiras bodas. Bem haja menina.

Até para a semana!