Director: Júlio Manjate

Morreu, na manhã de hoje,  aos 92 anos de idade, o músico e saxofonista Chico da Conceição, vítima de doença.

Chico da Conceição perdeu a vida no Hospital Central de Maputo (HCM), para onde foi evacuado e deu entrada pelas 10:00 horas, vindo a perder a vida meia hora depois.

Fonte familiar, que confirmou a notícia ao nosso jornal, avançou, que há dois anos, que o instrumentista não gozava de boa saúde, exibindo sinais de debilidade física e de saúde.

No entanto, nas últimas duas semanas o autor de “Marrumana”, entre outros sucessos, mostrou estar a melhorar, facto, que animou amigos e familiares. Porém, esta manhã a família foi surpreendida com o agravamento do seu estado de saúde.

A mesma fonte avançou que, amanhã será realizado o velório na capela do Hospital Central de Maputo, transladando-se, depois, o corpo para a província de Inhambane, onde será sepultado.

Portador de deficiência visual desde 1975, Francisco João da Conceição, de seu nome completo, nasceu a 14 de Junho de 1927, na cidade de Inhambane.

Terceiro de quatro filhos do casal João António da Conceição e Domingas Liberato Quinhas, Chico da Conceição dedicou mais de 70 anos à causa das artes e cultura, particularmente, a música e o saxofone, seu instrumento predilecto.

Músico de reconhecido mérito, o seu percurso artístico foi marcado por prémios e condecorações. Em 1985 foi condecorado com a Ordem Samora Moisés Machel, em reconhecimento ao seu contributo na área da música. No ano 2014, pelas mãos do antigo Presidente da República, Armando Guebuza, foi atribuído a medalha de Ouro.

(Notícia em actualização)

Comments

O PATRIMÓNIO cultural nacional é rico e precisa ser mais difundido para que as novas gerações o conheçam e valorizem. Este posicionamento foi assumido há dias pela historiadora e gestora cultural Matilde Muocha, na apresentação dos resultados preliminares do estudo sobre o artesanato tradicional, literatura oral e os jogos tradicionais da província de Maputo. Leia mais

Comments

A UNIVERSIDADE de Púnguè (UniPúngué) organizou, há dias, uma digressão de estudantes e docentes da Faculdade de História à base militar da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), conhecida por Chicondamoyo, em Chipembere, Posto Administrativo de Chioco, distrito de Changara, em Tete. Leia mais

Comments

O escritor Mia Couto recebeu na quarta-feira, no Brasil, o título de Doutor Honoris Causa, atribuído pela Universidade de Brasília (UnB). Antes de ser agraciado com aquela distinção, Mia Couto orientou palestra aos estudantes desta instituição, sedeada na capital deste país latino-americano, Brasília, com o tema “Encontros Que Transformam”, encerrando a semana universitária da UnB. Leia mais

Comments

A Companhia de Teatro M`beu apresenta, hoje, às 18:30, no Teatro Avenida, na cidade de Maputo, o monólogo “Refrescos e Galinhas”.

A peça, que terá em palco a actriz Isabel Jorge, faz um retrato do quotidiano da sociedade moçambicana face ao custo de vida e os dilemas da corrupção no país.

“Refrescos e Galinhas” mostra a forma como os moçambicanos procuram alternativas de sobrevivência, diante de adversidades associadas à incapacidade financeira, baseado na história da personagem Saquina, uma agente da polícia, que mergulhada nas dificuldades diárias acaba envolvida em esquemas de corrupção.

“Com esta peça, não queremos dizer que Saquina é inocente, antes pelo contrário, queremos mostrar, que o cidadão simples tem tantas necessidades, como o cidadão, financeiramente, estável”, diz a actriz Isabel Jorge, para quem a história é uma alegoria sobre o bem e o mal e sobre Deus e o diabo, que se implantam nas nossas mentes, devido a dificuldades causadas pela má distribuição dos recursos.

O texto e encenação é da responsabilidade de Evaristo Abreu, sendo Maria Clotilde Guirrugo e quem fez a produção foi Mbalango Mbalango, o director musical.“Refrescos & Galinhas”

do grupo de teatro M’beu

A Companhia de Teatro M`beu apresenta, hoje, às 18:30, no Teatro Avenida, na cidade de Maputo, o monólogo “Refrescos e Galinhas”.

A peça, que terá em palco a actriz Isabel Jorge, faz um retrato do quotidiano da sociedade moçambicana face ao custo de vida e os dilemas da corrupção no país.

“Refrescos e Galinhas” mostra a forma como os moçambicanos procuram alternativas de sobrevivência, diante de adversidades associadas à incapacidade financeira, baseado na história da personagem Saquina, uma agente da polícia, que mergulhada nas dificuldades diárias acaba envolvida em esquemas de corrupção.

“Com esta peça, não queremos dizer que Saquina é inocente, antes pelo contrário, queremos mostrar, que o cidadão simples tem tantas necessidades, como o cidadão, financeiramente, estável”, diz a actriz Isabel Jorge, para quem a história é uma alegoria sobre o bem e o mal e sobre Deus e o diabo, que se implantam nas nossas mentes, devido a dificuldades causadas pela má distribuição dos recursos.

O texto e encenação é da responsabilidade de Evaristo Abreu, sendo Maria Clotilde Guirrugo e quem fez a produção foi Mbalango Mbalango, o director musical.

Comments

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction