Imprimir
Categoria: Nacional
Visualizações: 1278

O sector da Saúde absorveu, nos últimos quatro anos, 10.884 novos profissionais, entre médicos, técnicos superiores, médios e básicos.

Dados em poder do “notícias” indicam que este reforço contribuiu para a melhoria do rácio habitante/médico, saindo de 18.603, em 2015, para 11.904, em 2018, representando uma redução em 36 por cento.

De acordo com o Ministério da Saúde (MISAU), os novos quadros foram distribuídos por quase todo o país, como forma de reduzir as desigualdades geográficas entre os grupos populacionais no acesso e utilização dos serviços sanitários.

“A disponibilidade equitativa de recursos humanos qualificados é, provavelmente, o maior constrangimento para a implementação adequada dos programas e tem uma grande influência sobre a qualidade dos cuidados”, indica um documento sobre as principais realizações do MISAU na área dos recursos humanos.

Com efeito, durante o período em referência, foram colocados 240 especialistas moçambicanos nos hospitais centrais, provinciais, gerais e em alguns distritais, visando melhorar a capacidade técnica e a qualidade de serviços prestados aos utentes.

Por exemplo, na província de Gaza, o número de médicos passou de 83, em 2015, para 126 em 2019, e em Sofala, a quantidade destes profissionais subiu de 209 para 254 até ao primeiro semestre de 2019.

Já na Zambézia, foram contratados 1087 profissionais de Saúde, dos quais 88 médicos, incluindo 17 especialistas, melhorando assim o rácio habitante/médico, passando de 31.853, em 2014, para 25.047 em 2019.

O sector aponta ainda a construção de dois novos institutos de formação de profissionais de saúde em Nacala, província de Nampula, e Infulene, em Maputo.

Estas instituições formam cerca de 500 estudantes por ano, o que reforçou o quadro de graduados a nível nacional com a formação de 9.929 profissionais de saúde ao longo dos últimos 3 anos.

Foram atribuídas, de 2015 a 2018, 123 bolsas para estágios complementares aos residentes médicos em formação, em várias especialidades fora do país.

Com estes recursos, entre outros, o sector da Saúde vem aumentando a força de trabalho, contando até 2018 com 57.502 profissionais, contra 48.733, em 2015.