Imprimir
Categoria: Nacional
Visualizações: 2266

As matrículas para novos ingressos da 1.ª classe ainda estão longe do planificado, sendo que até 13 de Dezembro último havia sido inscritos 904.007 crianças, das 1561.604 previstas.

Segundo o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH), a província da Zambézia é o que mais alunos registou, com 259.798ingressos, seguido de Nampula com 193.263, Sofala (82.011), Tete (9.058), Cabo Delgado (70.763), Manica (62.537)e  Niassa (57.949).

As províncias de Inhambane, Gaza, Maputo e cidade de Maputo tiveram menos entradas, com uma média de 20 mil crianças, devido à redução da população estudantil do nível primário nestes pontos do país.

As matrículas da 1.a classe terminaram oficialmente a 31 de Dezembro, ao fim de três meses, porém o MINEDH decidiu que os pais e encarregados de educação continuassem a inscrever os seus filhos, uma vez que várias escolas ainda dispõem de vagas. A ideia é que nenhuma criança em idade escolar fique fora do sistema.

Para este ano lectivo, o sector vai contratar 6.213 docentes, dos quais 5.310 para o Ensino Primário do 1o grau, 750 para o 2o  grau e 153 para o Ensino Secundário Geral.

O maior número de professores será na província da Zambézia, com 1.693, seguido de Nampula, com 1.410.

As direcções províncias de Educação e Desenvolvimento Humano deverão prever, a nível dos distritos, o recrutamento de dois docentes habilitados em educação inclusiva, sendo um de língua de sinais de Moçambique e outro de sistema Braile, a ser afectos nos institutos de formação de professores.

A submissão de candidaturas para a “angariação” de docentes decorre desde 30 de Dezembro, com o término previsto para 29 de Janeiro corrente nos serviços distritais de Educação, Juventude e Tecnologia.

Havendo necessidade de contratações, o sector foi orientado a considerar os limites orçamentais de 2019, enquanto se aguardaa aprovação, pela Assembleia da República, do orçamento de 2020.

UEM, UNILÚRIO E UNIZAMBEZE: Mais de 39 mil candidatos disputam vagas  

CERCA de 39 mil candidatos concorrem, a partir de hoje, para as vagas abertas para este ano nas universidades Eduardo Mondlane (UEM), Zambeze (UniZambeze) e Lúrio (UniLúrio).

Os exames de admissão decorrem até próxima sexta-feira, em todo o país. Concorrem para os cursos da UEM 28.043 candidatos; UniZambeze (9.969) e  para a UniLúrio (5.712), segundo um comunicado da UEM recebido na Redacção do “Notícias”.

O documento indica que para os diferentes cursos destas três instituições do Ensino Superior prestarão provas de admissão 39.279 candidatos, sendo 50 por cento do género feminino.

A fonte indica que o número de candidatos à UEM representa uma queda de quatro por cento, comparativamente ao ano passado.

Os cinco cursos da UEM mais concorridos nestes exames são todos do regime laboral, não diferindo das preferências dos últimos três anos. Trata-se de Medicina, com 3.384 candidatos, Direito (1.842 candidatos), Contabilidade e Finanças (1.266 candidatos), Administração Pública (932 candidatos) e Engenharia Informática (891 candidatos).

Entretanto, a UEM recomenda aos candidatos para não levarem consigo telemóveis, máquinas de calcular ou outros dispositivos electrónicos, cuja utilização é considerada fraude, pois resultará em penalizações, conforme previsto no edital.

Adverte ainda que serão usados detectores de aparelhos electrónicos em todas as províncias do país, sem excepção, pelo que os candidatos deverão cumprir com os procedimentos e evitar qualquer tentativa de levar, à revelia, o telemóvel ou outro dispositivo electrónico proibido.