Imprimir
Categoria: Nacional
Visualizações: 5247

A LIGAÇÃO rodoviária, interrompida em Dezembro, na sequência do desabamento da ponte sobre o rio Montepuez, isolando vários distritos de Cabo Delgado, deverá ser reposta dentro de cinco dias.

Com efeito, decorrem a bom ritmo as obras de colocação de pedras e manilhas ao lado da desabada ponte.

A infra-estrutura, com capacidade para suportar viatura de até 10 toneladas de carga, vai servir de alternativa, enquanto não se constrói ponte de raiz sobre este curso de água, de acordo com explicações de Edmundo Jorge, da Administração Nacional de Estradas (ANE).

Neste momento decorrem obras de arrumação de pedras a partir das duas margens do rio, devendo depois ser colocada no meio manilhas para permitir a passagem de água.

O governador de Cabo Delgado, Júlio Parruque, que ontem se deslocou ao local onde desabou a ponte, testemunhou o decurso dos trabalhos de arrumação de pedras por um empreiteiro contratado para executar as obras. De acordo com Parruque, se este ritmo dos trabalhos continuar, a transitabilidade nesta rodovia será retomada dentro de cinco dias.

“Esta é uma das soluções que encontrámos, de tantas outras apresentadas, para permitir que os distritos que estão isolados, neste momento, voltem a ser comunicáveis por estrada”, disse Júlio Parruque.

O governante anunciou que um navio com produtos da primeira necessidade e combustível partiu ontem do Porto de Pemba, com destino à Mocímboa da Praia para abastecer os mercados deste e de outros distritos isolados, na sequência do corte da Estrada Nacional número 380, a 28 de Dezembro último. Este carregamento é o segundo depois de uma primeira embarcação que deixou a capital provincial há dias.

“Esta é uma clara resposta do Governo para minimizar o sofrimento da população da região norte de Cabo Delgado, que já se ressentia da falta de quase tudo. Sabemos que, com o problema do desabamento da ponte, houve quem quis se aproveitar, agravando os preços de vários produtos, incluindo os da primeira necessidade”, referiu o governador.

Para além da infra-estrutura alternativa para garantir a travessia do rio Montepuez, o Governo está a abrir uma via alternativa que parte de Montepuez, passando por Meluco, num troço de cerca 280 quilómetros de Pemba.